Atendimento ao paciente Nefropatia DiabéticaConstitui-se por alterações nos vasos dos rins, caracterizado pela perda de proteína na urina. É uma situação grave, associada a aumento de mortalidade e que pode levar a insuficiência renal necessitando de tratamento dialitico. Entretanto, esta situação pode ser prevenida pela realização de exames de rotina (medida da proteína na urina) e bom controle do diabetes (ver controle do diabetes) e da pressão arterial. Características Gerais A nefropatia diabética pode afetar o bom funcionamento dos rins, fazendo com que eles percam a capacidade de filtrar adequadamente essas substâncias. Uma das proteínas que circulam no sangue é a albumina, que possui alto valor biológico e fornece todos os aminoácidos essenciais para facilitar a recuperação do organismo. Na fase inicial da nefropatia diabética, aparecem pequenas quantidades dessa proteína na urina (detectada através do exame de microalbuminúria). É comum que nesse estágio ocorra, também, o aumento da pressão arterial (hipertensão). Esta situação pode levar à insuficiência renal avançada. Tratamento Na maior parte das pessoas com o diabetes, o bom controle das taxas de glicemia previne ou retarda o aparecimento da nefropatia. Mesmo naqueles que já apresentam microalbuminúria na urina, o diabetes bem controlado evita a piora do quadro. Além disso, o controle da pressão arterial é fundamental para evitar esta complicação, podendo, em alguns casos, até regredir o processo. Atualmente, os níveis pressóricos recomentados para os pacientes com diabetes é de 130/85 mmHg. É recomendável, também, o controle do colesterol e parar de fumar e o uso de algumas medicações (sempre receitadas por um especialista). Veja também: Veja como fazer o rastreamento das complicações crônicas do diabetes.